fbpx

Biofilia: O que é e os seus impactos nos espaços de trabalho

27 de outubro de 2020

Uma tendência que tem se firmado nos últimos anos, e que foi intensificada pela pandemia de Covid-19, é a valorização da biofilia na arquitetura. Estamos falando de ambientes que favorecem a conexão dos seus usuários com a natureza a partir de estratégias de design e utilização de elementos que remetem ao ambiente natural. Você sabe como o design biofílico pode agregar conforto e produtividade aos escritórios? Mais além, você já parou para pensar em como ele impacta a operação dos edifícios? O post de hoje busca responder essas perguntas. Siga conosco e tenha uma ótima leitura!

CONEXÃO COM A NATUREZA

O conceito de biofilia começou a se popularizar nos anos 1980 a partir das pesquisas do norte-americano Edward O. Wilson, professor da Universidade de Harvard. Em seus trabalhos, ele identificou uma preferência biológica dos seres humanos de se manterem conectados à natureza e com os espaços verdes.

Desde então os cientistas buscam mensurar o impacto na saúde das pessoas da vida em ambientes artificiais. Alguns estudos associam o afastamento do verde a quadros de estresse, ansiedade, baixa produtividade e pouca criatividade nos seres humanos.

O relatório Human Spaces: O impacto global do design biofílico no local de trabalho, por exemplo, mostrou que as pessoas que trabalham em ambientes com elementos naturais, essencialmente vegetação e luz solar, apresentam níveis de bem-estar até 15% superiores do que aqueles que trabalham em ambientes completamente desconectados da natureza. Segundo o mesmo estudo, pessoas expostas a elementos da natureza têm níveis de produtividade (6%) e de criatividade (15%) maiores.

Dados como esses fizeram crescer o interesse de grandes empresas, especialmente as de tecnologia, pelo design biofílico na formatação de seus escritórios. Além disso, certificações ambientais focadas na saúde e no bem-estar dos usuários, a exemplo da Well e da Fitwel, já contemplam princípios da biofilia em seus quesitos de avaliação.

ALÉM DO VERDE

Escritório do CTE, espaço de convivência. A Biofilia foi pensada e introduzida em todo o projeto.

Diferente do que muitos pensam, o design biofílico não se baseia na mera introdução de vegetação nos ambientes. Ele prevê, também, a preferência por revestimentos naturais (madeiras, rochas, fibras), o uso de cores suaves, a valorização de formas orgânicas substituindo padrões quadrados com arestas ou cantos, e a oferta de vistas amplas para o exterior.

Dois aspectos devem ser trabalhados quando a preocupação é prover ambientes alinhados aos princípios da biofilia: o aproveitamento da luz natural e a garantia da qualidade do ar inteiror.

Uma diretriz importante é permitir que os usuários tenham noção das condições climáticas externas, reforçando a conexão com o exterior. Nesse ponto, uma prática recomendada, especialmente para escritórios de alto desempenho, é a utilização de sistemas de iluminação circadiana que mudam ao longo do dia, refletindo o movimento natural do sol durante o dia.

O escritório do CTE, em São Paulo, foi projetado incorporando princípios da biofilia. Isso é notável, por exemplo, nos terraços, que além de funcionar como áreas de descompressão, permitem a realização de pequenas reuniões ao ar livre.

Outro projeto que aproxima os interiores da natureza é o escritório da farmacêutica Sanofi, também em São Paulo. Clique aqui se quiser saber mais sobre esse case.

Escritório novo da SANOFI. O projeto reforçou seu compromisso com o meio ambiente e bem-estar de seus colaboradores

EQUILÍBRIO E EFICIÊNCIA

A gestão de facilidades possui papel decisivo na garantia do sucesso de projetos de design biofílico. Entre os desafios a serem superados na rotina de operação dos edifícios está a necessidade de compatibilizar o aproveitamento da luz natural com as questões de eficiência energética, especialmente em países tropicais.

É importante, também assegurar ótima qualidade de ar interno. Para isso, uma estratégia interessante é se valer de tecnologias digitais para monitoramento dos níveis internos de poluentes e de dióxido de carbono (CO2).

A introdução de jardins verticais é outra prática recorrente para levar vegetação para dentro dos escritórios, especialmente naqueles com limitação de espaço. Mas uma prática salutar, pensando tanto na redução do custo de manutenção, quanto na sustentabilidade, é dar preferência a espécies de fácil adaptação, com pouca exigência de poda e água.

O CTE atua na avaliação e na proposição de estratégias para melhoria do conforto ambiental das edificações, com soluções de arquitetura bioclimática e de sistemas prediais a partir de análises paramétricas e simulações computacionais. Agregamos valor ao projeto assegurando a efetividade das soluções para um ambiente mais saudável e produtivo para os ocupantes. Entre em contato conosco para conversarmos mais!

Quer receber as
melhores dicas? Assine nossa newsletter

Fique tranquilo, não enviaremos spam.

keyboard_arrow_up