fbpx

Madeira engenheirada: confira quatro mitos a serem desconstruídos

14 de maio de 2021

Nos últimos dez anos, a utilização da madeira na estrutura de edificações vem adquirindo um novo status graças ao desenvolvimento da madeira engenheirada. Estamos nos referindo a um conjunto de produtos extraídos de florestas plantadas e submetidos a tratamentos e processos químicos e físicos industriais para agregar qualidade e homogeneidade. 

Pré-fabricados, esses materiais, viabilizam a produção de edifícios com racionalidade, precisão e produtividade. Além disso, trata de uma matéria-prima renovável, que captura carbono da atmosfera, contribuindo para a redução do efeito estufa. Um metro cúbico de madeira engenheirada retira uma tonelada de gás carbônico da atmosfera. 

“A construção e a manutenção de empreendimentos imobiliários representam cerca de 39% das transferências globais de CO₂. Calcula-se, ainda, que a substituição do aço por madeira laminada cruzada (CLT) possa reduzir a pegada de carbono de uma construção em até 20%”, informa Cíntia Valente, diretora de marketing na Noah

Produzida em escala fabril, longe do canteiro, a madeira engenheirada também viabiliza a construção off-site. “Com esse processo mais rápido e menos intensivo de mão de obra, a obra transforma-se em uma linha montagem e é possível chegar em taxas de desperdício próximas a zero”, continua a executiva da Noah.

No hemisfério norte, onde a ênfase por sustentabilidade é maior, a construção com madeira engenheirada acontece, inclusive em edifícios residenciais e altos. Já no Brasil, esse material acompanha certa dose de desconhecimento. Questionamentos sobre resistência a intempéries e comportamento ao fogo constantemente são feitos e merecem esclarecimento para a promoção mais consistente dessa alternativa estrutural. O post de hoje joga luz sobre essas dúvidas. Continue conosco:

Mito 1: Comportamento em situação de incêndio

No caso das estruturas de madeira, a obtenção do TRRF (Tempo Requerido de Resistência a Fogo) exigido pelo Corpo de Bombeiros está relacionado ao desempenho mecânico do material. A conquista desse índice depende de um dimensionamento que considere a seção extra de madeira que pode, eventualmente, carbonizar, e a seção estrutural que precisa ser mantida para suportar as cargas. 

Com relação à propagação de chamas, a madeira engenheirada pode atender as exigências mais rigorosas após receber a aplicação superficial de verniz retardante de chamas. Com relação ao controle da propagação de fumaça, um bom projeto é fundamental para proporcionar a compartimentação adequada.

Mito 2: A durabilidade das estruturas de madeira

Em várias regiões do mundo há exemplos de construções de madeira centenárias. Apesar disso, ainda há dúvidas sobre a durabilidade das estruturas de madeira engenheirada em países tropicais. Afinal, a umidade e as variações climáticas são inimigos importantes desse material.

Com relação à durabilidade, a normatização brasileira orienta que toda madeira macia para uso estrutural passe por tratamento em autoclave com conservantes. Associado a esse tratamento, é recomendável que a estrutura de madeira seja projetada com algum sistema de proteção, como beirais, rufos e revestimentos. Quando inserida em projeto alguma proteção física, construções em madeira engenheirada podem atingir mais de 60 anos de durabilidade com baixo custo de manutenção.

Mito 3: Proteção ao ataque de xilófagos

A vida útil de uma edificação erguida com madeira deve ser análoga à esperada para os demais sistemas construtivos, como o aço e o concreto. 

Para evitar comprometimento em função do ataque de insetos xilófagos, durante o processo de produção, a madeira engenheirada é submetida a um tratamento em autoclave, que permite impregnar profundamente o material com produtos inseticidas e fungicidas. Há, também, um processo rigoroso de secagem das toras em estufas para atingir um teor de umidade ideal para proteção contra parasitas e fungos.

Mito 4: Design limitado

Diferentes modelos estruturais podem ser explorados com a combinação de painéis e perfis de madeira engenheirada. Há, inclusive, sistemas híbridos, que combinam a madeira com aço e concreto. Em função da facilidade de trabalhar a madeira, é possível explorar linguagens arquitetônicas das mais diversas, inclusive formas curvas. 

É importante frisar que quando uma obra começa a ser fabricada com madeira engenheirada tudo deve ser decidido e predeterminado na fábrica. Não há margens para ajustes e mudanças no local. O ideal, inclusive, é que as estruturas sejam modeladas e compatibilizadas em BIM (Building Information Modeling) para só então serem produzidas em máquinas CNC (controle numérico computadorizado) com precisão milimétrica.

A Unidade de Inovação e Tecnologia do CTE apoia diversos agentes da cadeia da construção no uso de inovações. Nossa equipe vem acompanhando todo o processo de disseminação da madeira engenheirada no Brasil. Ficou curioso para saber mais? Então entre em contato conosco!

Quer receber as
melhores dicas? Assine nossa newsletter

Fique tranquilo, não enviaremos spam.

keyboard_arrow_up