fbpx

Como garantir a qualidade do ar nos interiores?

20 de janeiro de 2021

Diretamente associada ao conforto e ao bem-estar dos ocupantes, a qualidade do ar interno (QAI) é, muitas vezes, negligenciada, motivando uma série de problemas de saúde, comprometendo a produtividade nos ambientes de trabalho e o aproveitamento dos estudantes nas escolas. Esse assunto torna-se ainda mais crítico, quando constatamos que passamos a maior parte do nosso tempo em espaços construídos.

Não é sem razão que alguns países da Europa já desenvolvem ações para tornar obrigatória a medição da qualidade do ar nos estabelecimentos abertos ao público. As certificações de sustentabilidade, como o LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) e o Well, também incorporam a qualidade do ar aos seus requisitos, voltando-se, principalmente, para a redução de poluentes, para a manutenção dos equipamentos de ar condicionado e para o controle da origem dos materiais inseridos nos ambientes construídos.

De modo geral, para a verificação da qualidade do ar nos ambientes internos são realizadas medições de:

  • Partículas em suspensão
  • Compostos orgânicos voláteis totais (COVs)
  • Monóxido de carbono
  • Formaldeído
  • Dióxido de carbono
  • Radônio
  • Velocidade do ar
  • Bactérias
  • Fungos
  • Legionella
  • Temperatura
  • Umidade relativa

COMO MELHORAR A QUALIDADE DO AR INTERNO?

Um projeto de arquitetura desenvolvido com atenção à qualidade do ar é decisivo para se ter espaços edificados mais salubres. Entre as estratégias que podem ser adotadas, nesse sentido, estão a ventilação natural e a ventilação mecânica com alta frequência de renovação do ar.

Em edifícios novos ou construídos, é possível prever, também, a instalação de detectores automáticos para determinar quando a ventilação é necessária em um espaço. Esses equipamentos podem ser configurados com um temporizador e programados para detectar níveis de poluentes, como CO2, por exemplo.

Boas práticas de manutenção do sistema de condicionamento são fundamentais para a garantia de um ar adequado. Não custa lembrar que um equipamento de climatização, por melhor que seja, não funcionará como pretendido sem intervenções periódicas e a substituição dos filtros quando necessária.

É possível se valer, ainda, de vegetação natural, por meio da construção de paredes verdes ou jardins internos. As plantas filtram dióxido de carbono, e eventualmente algumas substâncias químicas nocivas, como também agregam os benefícios da biofilia.

A especificação de materiais como tintas, forros e carpetes com foco na redução de compostos orgânicos voláteis é outra ação altamente recomendável. Ainda com relação aos revestimentos, a indústria já oferece soluções que absorvem o formaldeído do ar e são utilizados em hospitais e escolas. Poluente cancerígeno, o formaldeído é matéria-prima química para numerosos processos industriais e pode estar presente em materiais de acabamento, mobiliário, cola e produtos de limpeza.

NOVAS TECNOLOGIAS

Há, ainda, outras novas soluções, cada vez mais acessíveis, que podem contribuir para melhorar a qualidade do ar interior. Entre elas, cabe mencionar:

  • Sensores conectados à interface de nuvem para o monitoramento remoto da QAI dos edifícios. Esses dispositivos integram sistemas baseados em Internet das coisas (IOT), deep learning e inteligência artificial para monitorar o ar continuamente e em tempo real, permitindo antecipar a deterioração e recomendar ações preditivas;
  • Fornecimento de ar purificado para introdução no sistema HVAC (aquecimento, ventilação e ar condicionado);
  • Sistema de ventilação mecânica controlada para regular os fluxos de extração do ar integrado a detectores de umidade, de CO2 ou de compostos orgânicos voláteis.
  • Tintas despoluentes que purificam o ar capturando e destruindo as moléculas de formaldeído presentes no ar.

A unidade de Sustentabilidade do CTE atua na avaliação e proposição de estratégias para melhoria do conforto ambiental das edificações, incluindo soluções de arquitetura bioclimática e de sistemas prediais. Já a unidade de Operação Sustentável identifica e implementa soluções integradas para otimização de toda a área operacional das edificações, atendendo a aspectos como gestão de resíduos, água, energia, engajamento com os ocupantes e governança corporativa para a sustentabilidade. Entre em contato conosco para conversarmos mais!

Quer receber as
melhores dicas? Assine nossa newsletter

Fique tranquilo, não enviaremos spam.

keyboard_arrow_up