fbpx

BIM: Por que essa tecnologia está se disseminando no Brasil?

16 de julho de 2020

Você que atua na cadeia da construção certamente já sabe que o BIM (Building Information Modeling) é uma evolução sem volta. A adesão crescente a essa plataforma se deve, em grande parte, à percepção de muitas empresas, que viram nessa solução uma rota segura para dar precisão aos projetos, ganhar produtividade e obter maior controle sobre os recursos utilizados, entre outras vantagens competitivas. O protagonismo adquirido pelo BIM também se explica pela imposição de alguns contratantes, que passaram a condicionar o uso da modelagem da informação à participação de concorrências. Decretos, como o 10.306, de 2 de abril de 2020, impulsionam ainda mais a aplicação da tecnologia ao exigi-la para a contratação de obras públicas.

No post de hoje você pode entender um pouco mais sobre como o BIM funciona e, principalmente, alguns benefícios que ele pode proporcionar para a indústria da construção. Boa leitura!

O QUE É O BIM?

O BIM é uma filosofia de trabalho que integra arquitetos, engenheiros e construtores na elaboração de um modelo virtual 3D. Esse modelo gera uma base de dados que contém tanto informações topológicas, como subsídios necessários para orçamento, cálculo energético e previsão de insumos, por exemplo.

Sendo um dos temas mais debatidos na indústria da construção nos últimos anos, o BIM tem a capacidade de aumentar a produtividade e viabilizar a automação de processos ao mesmo passo que reduz custos e desperdícios. Saber como utilizá-lo perfeitamente, vencendo os seus obstáculos, proporciona ganhos gigantes em sua aplicação, assim como aponta o material “BIM: como superar os principais desafios no uso do modelo” da Autodoc.

“Ao contrário do que muitos ainda pensam, o BIM não é apenas um software, mas um processo de trabalho completo”, explica a arquiteta Miriam Addor, sócia-diretora da Addor Associados. “Por causa de sua abrangência, é fundamental que ele seja introduzido em baby steps, evoluindo em complexidade gradativamente”, alerta a arquiteta, que foi uma das participantes do webinar “A Jornada BIM no setor da construção“, promovido pelo CTE enredes.

PLANEJAMENTOS E CUSTOS MAIS ASSERTIVOS

O BIM pode gerar benefícios para toda a cadeia produtiva da construção, em função da diminuição de erros, de inconsistências e de incompatibilidades.

Para as construtoras, a plataforma colabora, não só com funcionalidades já conhecidas, como a verificação de interferências nos projetos. Quando integrado a ferramentas de planejamento e orçamentação, o modelo pode incorporar informações sobre cronograma, sequência de obra, fases de implantação, além de gerar quantitativos e orçamentos bastante assertivos.

“Para uma empresa de engenharia, poder planejar e acompanhar a obra até o final do ciclo, mantendo a aderência ao cronograma, é fundamental”, diz o engenheiro Paulo Sanchez, CEO da Sinco. “Com o BIM todos os departamentos que têm relação com a obra se tornam colaborativos. A transparência nas informações, a agilidade para resolver problemas e a fácil visualização do que será construído proporcionam maior confiabilidade”, conta Sanchez, que utiliza o BIM na Sinco desde 2011.

MAIS PRODUTIVIDADE AOS ESCRITÓRIOS

Ainda que demande investimentos para a aquisição de licenças e hardwares, esforço para a capacitação das equipes e uma saída da zona de conforto, o uso do BIM também pode agregar benefícios relevantes para os escritórios de projeto. “No nosso caso, ganhamos agilidade, diminuímos a ocorrência de erros e o número de revisões” revela o engenheiro Ricardo França, sócio-diretor do França & Associados.

No Kröner & Zanutto Arquitetos & Associados, entre os benefícios proporcionados pelo BIM destaca-se um acréscimo de produtividade entre 30% e 40% nos projetos realizados para o varejo, em função da visualização simplificada e da maior precisão, informa o sócio-diretor do escritório, Anderson Zanutto.

LIÇÃO DE CASA

Para Zanutto, para as empresas que estão iniciando uma jornada BIM, tão ou mais importante do que dispor de boas ferramentas computacionais é entender a modelagem como uma fração de um processo mais amplo de transformação digital.

“O BIM exige uma mudança no fluxo de informações e um grau de maturidade das empresas no mapeamento de seus processos internos”, salienta o arquiteto, lembrando que sem esses cuidados, a implementação da plataforma pode não ser bem-sucedida.

Esse artigo foi útil para você? Compartilhe suas impressões no nosso espaço de comentários! E continue acompanhando os nossos conteúdos para ficar por dentro de temas importantes da construção civil!

Melhores Webinars de 2020!

Quer receber as
melhores dicas? Assine nossa newsletter

Fique tranquilo, não enviaremos spam.

keyboard_arrow_up