CTE atinge marco histórico no mês de setembro: 100 empreendimentos em consultoria green building

O CTE atingiu um marco histórico no mês de setembro de 2010: 100 empreendimentos em consultoria green building no Brasil. Entre os 100 empreendimentos, estão estádios, hospitais, shoppings, templos religiosos, escritórios, edifícios corporativos, centros logísticos, industrias, residenciais e desenvolvimentos urbanos, sendo que 86 deles buscam certificação LEED® e os outros buscam certificações Aqua, Etiquetagem do Procel, Programa de Sustentabilidade em Obras (PSO), ou consultorias em projeto sem fins de certificação.

O CTE, que completou em agosto 20 anos de atuação especializada em consultoria para o setor da construção, comemora assim mais uma liderança no Mercado, agora na área da construção sustentável e edifícios verdes.

Segundo Anderson Benite, Diretor da Unidade de Sustentabilidade do CTE, “este marco histórico do CTE em construção sustentável é resultado do trabalho de uma grande equipe, extremamente capacitada, que sempre manteve os padrões de qualidade e de atendimento aos seus clientes, fruto da atuação de uma empresa que completa 20 anos de liderança em consultoria para construção civil nacional. Com certeza, daqui a alguns anos, os profissionais do Mercado irão enxergar o CTE como um dos propulsores da construção sustentável no País, da mesma forma que o CTE foi reconhecido como líder do movimento da qualidade na construção civil na década de 90, com mais de 1.500 empresas certificadas na ISO9001, PBQP-H, ISO14001”.



A atuação do CTE nesta área é recente, tal como o movimento mundial pela sustentabilidade na construção civil. Mas, já a partir do ano 2000, o CTE começou a pesquisar os conceitos de sustentabilidade e se antecipou no desenvolvimento de metodologias de gestão ambiental na construção civil, apoiando diversos empreendimentos e empresas no país na certificação ISO 14001 – Gestão Ambiental. Em 2007, avançou nas pesquisas sobre green building criando a Unidade de Sustentabilidade, hoje com 40 profissionais especializados e preparados para atender ao Mercado nas seguintes frentes:
 

Preparação de empreendimentos imobiliários para a certificação LEED, AQUA, Selo Casa Azul e Etiquetagem do Procel.
Desenvolvimento e implantação da Declaração de Sustentabilidade de Empreendimentos.
Desenvolvimento e implantação do Programa de Sustentabilidade de Obras (PSO).
Orientação para o desenvolvimento de projetos de edifícios, visando o aumento de sua eficiência energética e a garantia do conforto ambiental dos usuários.
Desenvolvimento e implantação do Programa de Sustentabilidade Corporativa, visando à incorporação da sustentabilidade como valor estratégico da empresa.


Esta visão de futuro possibilitou, por exemplo, que o CTE tomasse a frente nas consultorias para certificação LEED de empreendimentos. Para se ter uma ideia, dos 19 empreendimentos certificados LEED no Brasil, o CTE foi responsável pela consultoria green building para certificação de sete deles: Laboratório Delboni Auriemo (LEED NC – Silver, SP, 2008),  Banco Morgan Stanley (LEED CI 0 – Silver, SP, 2008), Eldorado Business Tower (LEED CS – Platinum, SP, 2009), Ventura Corporate Towers - Torre Leste (LEED CS – Gold, RJ, 2009),  WTorre Nações Unidas 1 e 2 (LEED CS – Silver, SP, 2009), McDonalds - Riviera São Lourenço (LEED NC, SP, 2009), Building the Future Boehringer Ingelheim (LEED CI – Gold, SP, 2010).
 


O movimento pela sustentabilidade no mundo e na construção brasileira


Cabe aqui uma reflexão sobre o movimento pela sustentabilidade no mundo. É perceptível que a sustentabilidade vem assumindo importância estratégica para os governos e empresas de vários setores da economia mundial. Com a crise de 2008, ficou claro a fragilidade de um dos tripés da sustentabilidade, o econômico, por conta de um sistema financeiro internacional inconsistente e insustentável. A retomada da economia mundial vem, a partir de então, pautada pela discussão de novos modelos econômicos, com forte ênfase ambiental, social e responsável, fortalecendo os aspectos econômicos e financeiros.

Em vários países, o setor da construção civil já reconhece esta tendência, assumindo práticas sustentáveis especialmente em empreendimentos, projetos, materiais e obras, e parcialmente vem incorporando a sustentabilidade na empresa como um todo. Na construção civil brasileira, podemos ver esta tendência também ser reconhecida pelo crescimento acentuado de empreendimentos sustentáveis nos últimos quatro anos em vários segmentos e tipologias de empreendimentos: arenas esportivas, hospitais, shoppings e edifícios comerciais, industriais e habitacionais.

A certificação ambiental dos empreendimentos pelo modelo americano do LEED, do Green Building Council, por exemplo, vem crescendo de forma significativa no País. Hoje o Brasil ocupa a quinta posição no ranking de empreendimentos registrados para certificação (quase 200 empreendimentos), abaixo dos EUA, Canadá, Emirados Árabes e China. O modelo francês de certificação ambiental (AQUA) também começa a ocupar espaço no País.
 


Com todos esses dados e números animadores e diante de uma nova fase de acelerado crescimento do Mercado, o CTE percebe uma ótima oportunidade para que o setor reflita sobre seu próprio crescimento sutentável. Por isso, o CTE tem agora se empenhado em ampliar a questão da sustentabilidade no setor da construção, acreditando que o setor pode e deve ir além das questões relativas ao desempenho ambiental de edifícios e de suas certificações. O setor deve pensar em seu próprio desenvolvimento sustentável e se preparar para incorporar, na estratégia e na gestão das empresas da cadeia produtiva da construção, todo o potencial que a sustentabilidade permite, integrando os aspectos econômicos, ambientais e sociais.

Pensando nisso, em maio de 2010, o CTE e a CriActive desenvolveram e publicaram a primeira pesquisa de âmbito nacional sobre as práticas sustentáveis adotadas por empresas construtoras e incorporadoras em seus negócios e empreendimentos, outra grande e inédita inciativa para compreender exatamente como esta tendência da sustentabilidade repercute nas empresas brasileiras da construção e verificar como seus dirigentes pensam e se preparam hoje para um futuro inevitavelmente sustentável.



A pesquisa revelou, por exemplo, que as empresas brasileiras líderes em incorporação e construção começam a refletir e incorporar práticas em direção ao crescimento e desenvolvimento sustentável de seus negócios, processos e empreendimentos, o que significa um processo de aprendizagem, um caminho complexo e longo, como todos os que envolvem mudanças profundas.

Para trilhar este caminho no setor, no entanto, é ainda necessário o desenvolvimento de tecnologias, conhecimentos e habilidades, assim como a incorporação consolidada de práticas sustentáveis nos diversos temas e áreas, tanto na dimensão corporativa quanto nos projetos, empreendimentos e obras.

Por outro lado, é perceptível que este movimento da sustentabilidade já tem impulsionado a interação entre os diversos parceiros — incorporadores, construtores, projetistas e fornecedores de materiais, serviços e equipamentos —, de forma a propiciar a experimentação e o desenvolvimento de novas tecnologias, contribuindo para uma cadeia de valor sustentável. A sustentabilidade da cadeia produtiva da construção, aliás, depende dessa influência mutual, que poderá interferir no Mercado de novos empreendimentos e, certamente, terá repercussão no mercado de varejo da construção civil.

Para Roberto de Souza, Diretor Presidente do CTE, “a comunidade CTE está comemorando este marco histórico da empresa e a liderança em uma nova área no Mercado. Ao mesmo tempo, todo o CTE está se preparando para o futuro e para um grande desafio: orientar a cadeia produtiva da construção para um amplo exercício de inteligência compartilhada, oferecendo serviços e consultorias que visem o planejamento de seus negócios e de seu cotidiano de forma sustentável, para que nossos clientes possam agregar valor aos seus negócios e produtos, inovando em tecnologias e descobrindo com responsabilidade uma nova forma de pensar, agir e construir”.



VEJA ALGUNS DADOS SOBRE O NÚMERO DE EDIFÍCOS VERDES NO MUNDO E DE SEU DESEMPENHO AMBIENTAL

Alguns números sobre edifícios verdes no Brasil e no Mundo (certificados e pré-certificados) em 2010
 

De acordo com o USGBC, atualmente há mais de 5.700 edifícios certificados LEED no mundo e mais de 20.000 registrados em processo.
Já no Brasil, há 19 empreendimentos já certificados LEED e mais de 200 registrados em processo.
Em relação à certificação australiana Green Star, há mais de 200 empreendimentos certificados no mundo.
Pela certificação inglesa BREEAM, há mais de 100.000 empreendimentos certificados no mundo.
E, pela certificação francesa HQE, há mais de 1.500 empreendimentos certificados no mundo.

 

Alguns dados sobre o desempenho de um edifício verde comparado a um edifício convencional*

20-40% de economia de no consumo de água potável
50-100% de economia de água potável para irrigação
12-48% de economia no consumo de energia
50-75% de todo resíduo gerado na obra desviado de aterros
10-30% de todo material empregado é de origem reciclada
10-40% de todo material adquirido é de origem local
50-95% de toda madeira certificada pelo FSC (Forest Stewardship Council)
25% de redução da vazão e volume de água lançada na rede pública durante as chuvas

*De acordo com os critérios de certificação LEED® (Leadership in Energy and Environmental Design), sistema de certificação que tem sido adotado no Brasil.
 


Alguns dados sobre a sustentabilidade na construção brasileira**
 

82% das empresas afirmaram que a sustentabilidade deve ser considerada como um valor estratégico em seus negócios
32% das empresas disseram que incorporam a sustentabilidade em suas metas
41% do volume de obras no Brasil são de empresas envolvidas com práticas ou técnicas sustentáveis em pelo menos alguma das seguintes categorais: Estudos preliminares e concepção do produto; Inserção do empreendimento no meio ambiente e na malha urbana; Uso e conservação de água; Gestão do uso de energia; Seleção de materiais e resíduos; Qualidade do ambiente construído; Práticas ambientais nos canteiros de obras
83% das empresas apontaram como relevantes os seguintes aspectos em relação aos fornecedores e produtos: portfólio de produtos que contribuem para a sustentabilidade; práticas de sustentabilidade corporativa dos fornecedores; redução de materias primas e recursos naturais; incorporação de conteúdo reciclado nos produtos
80% das empresas informaram que aceitariam um incremento de custo por inovação em produtos sustentáveis
47% das empresas construtoras informaram que a utilização de tecnologias e produtos sustentáveis é um valor percebido pelo cliente final


** De acordo com a pesquisa “Tendências da sustentabilidade na construção brasileira 2010”, desenvolvida e publicada pelo CTE e CriActive em maio de 2010, em que foram entevistadas 104 empresas construtoras brasileiras, líderes de mercado, representando 41% do cenário nacional da construção.