fbpx

Estratégias de sustentabilidade para a promoção de ambientes mais seguros

3 de agosto de 2021

Quando falamos em localidades sustentáveis, as ações que primeiro vêm à mente são relacionadas à eficiência energética e hídrica e à proteção da biodiversidade. Mas esse tema é muito mais amplo com impactos, inclusive, sobre a vulnerabilidade de uma região a crimes.

Em um webinar promovido pelo canal CT Segurança no início de julho, Myriam Tschiptschin, gerente da Unidade de Smart Cities e Infraestrutura Sustentável do CTE, explicou como o design urbano pode favorecer a segurança da população e contribuir para prevenção contra a violência urbana.

CIDADES MAIS SEGURAS

Durante o evento, que contou com a participação de Eytan Magal e João Jaouiche, especialistas em segurança patrimonial e pessoal, a arquiteta e urbanista comentou a importância do CPTED (sigla que em português significa Prevenção de Crimes Através do Design Ambiental). Trata-se de uma ferramenta já antiga, criada no final dos anos 1960, que se baseia no planejamento e em intervenções de design para promover uma vigilância espontânea de espaços públicos. 

A ideia é que através do desenho, do planejamento e da gestão, sejam criadas condições físicas e psicológicas para que um potencial criminoso se sinta observado e menos confortável para atuar. É sabido que um crime tem menor probabilidade de acontecer quando o ofensor percebe que há mais chances de ser flagrado. 

Entre as ações previstas pelo CPTED estão a iluminação apropriada, a remoção adequada de lixo a criação de espaços abertos qualificados para o convívio e a promoção de um senso de pertencimento na comunidade. O uso de estratégias CPTED, inclusive, pode adicionar pontos em processos de certificação ambiental como a Sustainable Sites.

“Quando projetamos esquinas amplas, sem árvores com copas frondosas baixas, além de melhorarmos a visibilidade do pedestre com relação à mobilidade, contribuímos para prevenção de crimes por adicionar visibilidade”, exemplificou Tschiptschin. Segundo a especialista, a compatibilização entre paisagismo e iluminação é chave para projetos bem-sucedidos e para evitar áreas sombreadas que são fatores de insegurança.

CALÇADAS VIDAS

Tecnologias são aliadas importantes dos gestores para garantir que condomínios, bairros e cidades sejam mais seguros e confortáveis para seus ocupantes. Em condomínios, por exemplo, uma solução que desponta é o sistema de monitoramento inteligente baseado em vídeo analytics, que emite alertas em caso de evento suspeito. Nas cidades, a tendência aponta para o aproveitamento da infraestrutura dos postes de iluminação pública para acomodar também, além de câmeras de monitoramento, outras tecnologias, como roteadores, estação de recarga de veículo elétrico, etc.

Para Myriam Tschiptschin, ações governamentais e legislativas, via Plano Diretor e leis de zoneamento, também são determinantes para que as cidades sejam mais amigáveis e seguras. Isso pode ser feito, por exemplo, com o incentivo à fachada ativa, recurso que consiste na ocupação comercial do térreo das fachadas e que promove maior integração entre as construções e as calçadas. “Já utilizada em municípios como São Paulo, esse tipo de estratégia é benéfica para o condomínio, que ganha uma fonte de renda, e para a cidade, que passa a contar com calçadas mais dinâmicas e vivas”, comentou a arquiteta.

Por meio da Unidade de Smart Cities e Infraestrutura Sustentável, o CTE atua em projetos de escala urbana e de infraestrutura com consultoria técnica nas áreas de sustentabilidade, tecnologia, inteligência e inovação. Além de apoiar processos de certificações variadas, desenvolvemos estudos de drenagem sustentável, conforto urbano, eficiência energética, plano de gestão de resíduos, plano de mobilidade, entre outras consultorias específicas avançadas para a escala urbana e obras de infraestrutura. Entre em contato para falarmos mais a respeito.

Quer receber as
melhores dicas? Assine nossa newsletter

Fique tranquilo, não enviaremos spam.

keyboard_arrow_up