Sustentabilidade

Faria Lima 3500

Projeto

PROJETO FARIA LIMA 3500

Com uma fachada inteiramente de vidro e na forma de um trapézio invertido, o edifício Faria Lima 3500, encontra-se no centro financeiro de São Paulo e é considerado um dos mais modernos e arrojados edifícios da cidade, sendo exemplo de um projeto que uniu design ousado, engenharia e sustentabilidade.

O empreendimento construído pela Tishman Speyer, com projeto da KOM Arquitetura, tem cerca de 25 mil m² distribuídos em cinco pavimentos. Inaugurado em 2012, o FL 3500 foi classificado como AAA (triple A), com soluções tecnológicas que fazem jus ao título de um dos melhores e mais inteligentes edifícios da capital Paulista.

A Unidade de Sustentabilidade CTE, ofereceu os serviços de Consultoria de Certificação LEED®, e comissionamento para todas as fases do empreendimento, resultando na certificação LEED Core & Shell nível Gold, LEED for Commercial Interior (projeto e obra de interiores) nível Gold, LEED EB O+M (operação e manutenção) nível Gold em 2016 e Nível Platinum em 2019, fortalecendo a excelência em desempenho  operacional da edificação.

O Projeto

As atividades de consultoria do CTE para o empreendimento FL 3500 iniciaram em 2010, com o companhamento das atividades de demolição das antigas edificações que haviam no terreno, em paralelo à definição das premissas iniciais de design junto à Tishman Speyer.

O projeto, idealizado pela KOM Arquitetura, com suporte da Moed de Armas & Shannon Architects, apresenta características únicas de fachada que foram estudadas para otimizar o consumo do sistema de ar condicionado, com o mínimo prejuízo ao entorno por incômodos de ofuscamento.

Como um dos empreendimentos mais inovadores da época, o sistema hidráulico do FL 3500 foi concebido para uso de água não potável e tratamento das águas de chuva e cinzas. Os chillers a água, posicionados em série, foram dimensionados para maximizar a performance operacional, aproveitando a curva de eficiência dos equipamentos em seus pontos ótimos.

Sensores de CO e CO 2 foram instalados no sistema de exaustão da garagem e fancoils, respectivamente, para trazer inteligência ao funcionamento dos equipamentos, enquanto as rodas entálpicas otimizaram a refrigeração do ar externo aproveitando a temperatura do ar de expurgo.

Soluções inteligentes também foram levadas pelo CTE para o projeto de interiores do Itaú BBA, a fim de aprimorar as premissas de sustentabilidade adotadas pelo edifício. Para tal, as torneiras dos lavatórios receberam arejadores de 1,8l/min, ampliando o desempenho em consumo de água e todas as novas instalações sanitárias foram projetadas para receber água não potável.

No quesito energia, o escritório foi um dos primeiros a ter a maior parte da sua iluminação em LED, garantindo uma redução de 10,17% na potência instalada quando comparada a ASHRAE. Pensando no futuro da operação do edifício, diversos medidores de energia foram distribuídos pelo edifício permitindo uma leitura setorizada e por uso final, ou seja, medição separada do sistema de ar condicionado, iluminação, tomadas, UPS entre outros.

A qualidade do ar e eficiência energética foram tratadas de forma equilibrada no projeto de interiores que incorporou dezenas de sensores de CO2 nas áreas abertas e fechadas do escritório, que monitoram a qualidade do ar interno e modulam o sistema de renovação de ar, sem sobrecarregar o sistema de ar condicionado.

As soluções para interiores envolveram, inclusive, o aumento do bicicletário de 35 para 96 vagas, atendendo a demanda dos funcionários por modais de transporte menos poluentes.

Todas as soluções e tecnologias aplicadas nos projetos da edificação e de interiores vêm sendo monitoradas e geridas de forma inteligente pela equipe de operação do Itaú, com consultoria do CTE. O engajamento da equipe faz da operação do FL3500 um diferencial no mercado. Os sistemas hidráulicos são monitorados por uso final, de modo a identificar falhas e correções em curtos intervalos de tempo, além de auxiliar na identificação de melhorias. Da mesma forma, a realização periódica de auditorias de energia pelo CTE, resultou em reduções constantes do custo operacional, partindo de um consumo de 336kWh/m², em 2016 para 324 kWh/m² em 2018.

O gerenciamento de resíduos, assim como os demais sistemas, possui monitoramento mensal com a quantificação mássica (kg) do material gerado na operação. Os dados, analisados mensalmente, auxiliaram na geração de indicadores e oportunidades de melhoria focadas principalmente na redução e também no aumento do potencial de reciclagem. Como resultado, observou-se uma redução da geração mensal de resíduos por ocupante de 10,5 kg em 2017 para 8,5kg em 2018. Ainda sobre o tema, ações de engajamento junto aos fornecedores foram realizadas durante 2017 e 2018 de modo a substituir as caixas de papelão para caixas retornáveis, utilizando a receita do processo de reciclagem para ações sociais.

Já os sensores de dióxido de carbono, instalados nos espaços regularmente ocupados, são diariamente monitorados pela equipe de automação, de modo a evitar ambientes insalubres e consequente desconforto dos usuários.

Todas essas ações em conjunto proporcionam elevadíssimo índice de satisfação dos funcionários, que atingiu em 2018 a marca de 82%. É a sustentabilidade trazendo performance e conforto!

Energia e Atmosfera

Alcance de 31% de redução no consumo da economia, através das seguintes ações:

  • Mais de 90 % das lâmpadas usadas na iluminação do edifício são lâmpadas Led.
  • Instalação de um sistema de automação da iluminação e do ar condicionado, possibilitando acionamento e desligamento dos mesmos de forma totalmente automática.
  • 95% dos equipamentos instalados nas dependências do edifício possuem o Selo Energy Star, que atesta baixo consumo de energia.
  • Chillers a água em série contrafluxo com elevado COP e IPLV, associado a rodas entálpicas e sensores de CO2.

Durante a operação, foram realizadas atualizações nas características e dados de operação de todos os equipamentos de HVAC e iluminação do edifício com a finalidade de facilitar o acesso à informação e gestão operacional. Além disso, os horários de funcionamento do sistema de ventilação e fancoils foram adequados em função da operação da central de água gelada e roda entálpica do edifício.

O consumo de energia atual do edifício é 14% melhor que a média mundial.

Eficiência no uso de água

A eficiência no consumo de água foi alcançada a partir da instalação de arejadores de 1,8l/min nas torneiras, bacias de duplo acionamento e mictórios de baixo consumo, associado ao uso de água não potável oriunda da condensação do ar condicionado, tratamento de águas cinzas e da captação de água de chuva

Na certificação LEED OM, o projeto obtém 9 de 15 pontos, sendo 1% melhor que a média mundial.

Descarte de Resíduos

100% dos resíduos não orgânicos gerados pelo edifício são encaminhados para a reciclagem e os resíduos orgânicos são encaminhados para aterros sanitários.

Recentemente, a partir das análises críticas das auditorias de resíduos sólidos orientadas pelo CTE, houve a substituição das caixas de papelão por caixas retornáveis; os resíduos de bitucas de cigarro agora são processados e transformados em adubo para recuperação de solo. E os copos plásticos são retornados ao fornecedor, com contrato de logística reversa, sendo todo o valor de beneficiamento doado à instituição  GRAAC.

Receba nossas novidades


keyboard_arrow_up