fbpx

CTE inicia Programa de Capacitação em ESG

11 de fevereiro de 2021

Um grupo formado por dez construtoras e incorporadoras deu um passo importante em direção à implantação de práticas ESG (Environmental, Social and Governance) no Brasil. Essas empresas integram a primeira turma do Programa de Capacitação de Empresas do Setor da Construção em ESG, recém-lançado pelo CTE.

 A primeira das 16 oficinas que compõem o treinamento aconteceu no último dia 10 de fevereiro, em plataforma online, com cerca de 50 participantes. Entre as empresas que aderiram à iniciativa pioneira estão: Eztec, Sinco, Passarelli, Trisul, ForCasa, PPR Visani, Rev 3, Omar Maksoud, Parque Global e Rogga.

Nesse grupo há companhias com perfis, portes e segmentos de atuação bem distintos, assim como profissionais de várias formações. “Tal diversidade é muito positiva quando se busca inovar e introduzir novas práticas”, comentou Márcia Menezes, diretora da Unidade de Inovação e Tecnologia do CTE e coordenadora do programa. 

Programa completo

As atividades do 1o Ciclo se estenderão até setembro. A expectativa é a de que ao final da jornada os participantes sejam capazes de implementar práticas ESG em suas empresas e de atuarem como multiplicadores de conhecimento.

As oficinas abordarão desde aspectos conceituais a temas que despertam muitas dúvidas nos profissionais, como comportamento ético, gerenciamento de riscos, diversidade e comunicação com os stakeholders. Também incluirão cases e atividades propícias à troca de experiências.

O programa de capacitação desenvolvido pelo CTE contará com uma etapa focada em processos para mostrar como o ESG pode, e deve, estar presente em todo o desenvolvimento do negócio, desde a seleção do terreno à entrega, uso e operação.

Outro diferencial é a realização de oito sessões de consultoria individualizadas para as empresas participantes. “O objetivo é entender a necessidade específica de cada companhia para poder apoiá-la de modo mais assertivo na implantação das estratégias relacionadas ao ESG”, explica Márcia.

No que se tange a responsabilidade ambiental, o Sistema ESG contempla aspectos como mudanças climáticas, gestão da água e da energia, riscos ambientais, qualidade urbana e uso do solo, entre outros pontos. No âmbito social, as exigências recaem sobre aspectos como direitos humanos, relações de trabalho, diversidade e equidade, além de relações com a comunidade. Na dimensão da governança, por sua vez, são trabalhados temas como estrutura de compliance, gestão de crises e planos de contingência, segurança e proteção de dados.

A importância do ESG

O trinômio responsabilidade social, responsabilidade ambiental e governança está no centro das discussões, no Brasil e no mundo. Ele adquiriu um senso de urgência maior depois que grandes gestores de recursos e fundos de pensão colocaram o ESG no centro de suas decisões de investimento.

Para Márcia Menezes, é preciso trazer o ESG como um valor estratégico para a cadeia da construção civil visando o desenvolvimento em longo prazo. “No momento, as questões relacionadas à sustentabilidade podem até ser encaradas como diferenciais competitivos. Mas isso tende a mudar, tornando-se condição para acessar capital, diminuir riscos nas operações e garantir resiliência às empresas”, analisa a diretora do CTE.Novas turmas do Programa de Capacitação de Empresas do Setor da Construção devem ser abertas em breve. Entre em contato conosco para obter mais informações!

Quer receber as
melhores dicas? Assine nossa newsletter

Fique tranquilo, não enviaremos spam.

keyboard_arrow_up