País comercializa R$ 472,6 bilhões em imóveis no período de 12 meses

Os cartórios brasileiros registraram 378.328 escrituras de transações imobiliárias no período de 12 meses encerrados em maio. Em valores, as operações corresponderam a R$ 472.625.261.137,83.

Os dados se referem a todo tipo de propriedade: residencial, comercial, rural, terreno, além de galpões. Os dados foram fornecidos por todos os cartórios do País à Central Notarial de Serviços Eletrônicos Compartilhados (Censec), que reúne todos os atos praticados nos cartórios brasileiros.

SP responde por 30% - A Censec é gerida pelo Colégio Notarial do Brasil (CNB) Conselho Federal, mas é administrada e sediada no CNB - Seção São Paulo. Ela foi criada pelo Provimento n° 18/2012 da Corregedoria Nacional de Justiça, órgão vinculado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Por força dessa medida, todos os cartórios são obrigados a informar quinzenalmente os atos praticados nos tabelionatos, o que inclui, entre outros, a escritura pública de compra e venda de imóveis.

Agora, o CNB/SP vai publicar mensalmente o levantamento do mercado imobiliário no site www.cnbsp.or.br, oferecendo dados a partir de 2017. As informações estarão disponíveis a partir desta semana.

Estudo traz fotografia inédita do setor. O estudo atual ainda mostra que, tomando-se como base somente o mês de maio, foram registradas 80.748 transações imobiliárias, um recuo de 7,6% em relação a abril, quando somaram 81.168. Essas operações, em valores, corresponderam a R$ 38.081.342.214,14 e a R$ 41.228.300.544,32, respectivamente. Os dados também mostram que o Estado de São Paulo respondeu por cerca de 30% dessa movimentação, com 23 mil escrituras.

"O levantamento é uma ferramenta importante que os notários oferecem à sociedade", afirma o presidente da CNB/SP, Andrey Guimarães Duarte. "São uma fotografia dessa atividade econômica. Até agora, o que se tinha no mercado era uma parte das transações imobiliárias feitas no Brasil", acrescenta.

O CNB é a entidade representativa da atividade de cartórios no Brasil, reunindo os notários brasileiros. Em São Paulo, a instituição tem 717 cartórios associados.

Embora ressalte que sempre as pessoas façam o registro da compra do imóvel quando é feita a transação, atrasando o registro, o que "não necessariamente reflete o resultado econômico do período de 12 meses", ainda assim, o presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Flavio Amary, diz que os dados são importantes.

'Números mostram a importância do setor'. "Mostram (os números) a importância, a força do setor, o volume de recursos que representa para a atividade econômica do País. É um número bastante significativo, são quase R$ 500 bilhões, é praticamente o saldo total da caderneta de poupança, é praticamente o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de todos os correntistas do Brasil", afirma. "Mostram a força de toda a indústria imobiliária", reforça.

O presidente do CNB/SP afirma que os valores das transações registrados em cartórios estão mais próximos da realidade do mercado. Segundo ele, a prática de formalizar a operação com valores abaixo de mercado vem diminuindo ao longo do tempo.

Por Claudio Marques

Fonte: O Estado de S. Paulo, Economia, 09/07/2018