Região central de São Paulo mantém apelo por oferecer praticidade e mobilidade

A vida de estudante fez com que Jennifer Winter trocasse, em 2011, a tranquilidade da casa dos pais em Santos, no litoral paulista, pela agitação do Centro de São Paulo. De onde mora, ela vai a pé para a faculdade, para a academia e para o supermercado mais próximo. “Não preciso passar pela correria de quem pega ônibus, metrô”, diz. Jennifer faz parte de um grupo que busca praticidade e facilidade de locomoção e, por isso, engrossa a demanda por moradias no Centro.

De olho nesse público e na revitalização da região, incorporadoras investiram em ao menos nove empreendimentos nos últimos cinco anos. O número de novas unidades oferecidas chega a 1.365. Atualmente, incorporadoras como You,inc, Brookfield e Stan lançam empreendimentos arrojados no local, sempre dentro da lógica de metragem pequena e do conceito de “mixed use”, que une residenciais, serviços e salas comerciais.

Nos últimos cinco anos, o metro quadrado para aluguel de um quarto no bairro, que valia no mínimo R$17,21, chegou a R$28,52 em 2013. “Há interesse muito forte da Prefeitura e do Estado em revitalizar o Centro para a moradia e comércio”, analisa o diretor de Gestão Patrimonial e Locação do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Mark Turnbull.

O programa Casa Paulista e as próprias diretrizes constantes da proposta do novo Plano Diretor Estratégico da cidade procuram transformar o Centro cada vez mais em uma região também residencial. Hoje, as incorporadoras veem a área com outros olhos, segundo a diretora de Incorporação da Stan, Leila Jacy. A empresa é responsável pelo Motion, entre as ruas Martim Fontes e Avanhandava. Lançado em maio deste ano, o empreendimento já teve 96% das unidades vendidas segundo ela. Para Leila, quem comprou apartamento no Centro há cerca de cinco anos, agora colhe os frutos da valorização.

Mesmo dentro do público que busca praticidade e mobilidade, há perfis diferentes. “Há famílias do segmento popular na Luz e na Liberdade, e os solteiros convictos de classe média alta que compram na região da Augusta”, afirma o vice-presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP), José Augusto Viana Neto.

Os novos empreendimentos, diz, têm perfil geralmente vinculado a jovens: são apartamentos de um quarto, de em média 49 m². Entre os atrativos para as novas gerações estão a ampla oferta cultural, a rede de transporte público e a proximidade com universidades.

Classe média. “A região atrai jovens de classe média alta que saem da casa dos pais e o público GLS, além de viúvas e idosos”, diz Viana Neto.

Para a diretora de Incorporação da You,Inc, Alessandra Calefo, a mobilidade explica porque muitos dos moradores do bairro vêm de fora da cidade. Segundo ela, boa parte deles não permanece por muito tempo nas unidades.

“O Centro é bom para o investidor, pois há uma procura grande para locação. É um apartamento que nunca vai ficar vazio”, diz Alessandra. Recentemente, um empreendimento da incorporadora na Rua da Palmeiras, em Santa Cecília, foi totalmente vendido em uma semana, segundo Alessandra.

Outro exemplo de boa procura é o Ca’d’oro, da Brookfield. O hotel cinco estrelas da década de 1950, que passou por um processo de decadência nos anos 1980, vai dar lugar a um edifício de uso misto. Segundo o diretor de Negócios da incorporadora, Ricardo Laham, as 900 unidades foram vendidas em um fim de semana. O imóvel fica pronto no fim de 2014.“Tinha um aspecto emocional, de memória da cidade. No dia do lançamento, as pessoas estavam comprando um pedaço da história.”

A economista Ana Clara Rodrigues, de 34 anos, é uma das pessoas que compraram uma unidade. Ela considera a aquisição um investimento. Caso a região, no futuro, ofereça mais pensa em entregar as chaves para sua mãe, que hoje mora com Ana em Moema. Se não, acredita que vai lucrar com uma possível venda ou aluguel da unidade alugada. “Comprei ali porque acho que o Centro está crescendo muito e tenho certeza que em Moema, Vila Nova e Itaim não há mais onde construir”.

Fonte: http://blogs.estadao.com.br/radar-imobiliario/regiao-central-de-sao-paulo-mantem-apelo-por-oferecer-praticidade-e-mobilidade/