PAC: Momento é oportuno para ampliar habitação

 

SÃO PAULO, 22 de janeiro de 2009 - O governo vai incluir mais projetos de habitação no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em um momento delicado, mas muito oportuno para reaquecer a economia doméstica. A avaliação é do presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), João Crestana. "O PAC trouxe para a agenda do Brasil o assunto: gasto e investimento. Ou seja, o governo tem que investir para montar um País para 20, 30 e 50 anos. O governo não tem que gastar com xerox ou cafézinho, nosso País precisa de infraestrutura: habitação, transportes, estradas, energia e saneamento. O PAC pensa para frente, visando a infraestrutra do futuro", afirma.

 

Para ele, o fato do programa não ter sido implantado de forma efetiva se deve ao tamanho e dimensão do projeto. "Para um País que pensava pouco em infraestrutura, o PAC já é uma grande iniciativa. O governo precisa investir e não gastar", disse

 

Crestana acredita que o PAC vai mesmo deslançar nos últimos dois anos, impulsionando a atividade doméstica. "Tenho convicção de que o PAC vai ser realizado, especialmente, porque pautas que não estavam agregadas vão fazer parte com mais força. A habitação, por expemplo, que estava de maneira marginal no programa vai agora entrar no cronograma do governo para ativar a economia num momento delicado, pois é oportuno já que a indústria de contrução pode aquecer a atividade nacional, gerando emprego e renda", disse.

 

Segundo o dirigente, a demora para a implantação do programa tem apoio de discussões políticas que muitas vezes emperram a liberação dos projetos, mas por outro lado, são necessárias para priorizar as iniciativas. "Numa democracia tudo demora um pouco mais. Discussões conflitantes acabaram determinando maior prazo para a implantação dos projetos, o que atrasaram as obras", conclui

 

De acordo com o Comitê Gestor do PAC, o governo monitorava em setembro (último balanço realizado) 214 ações do eixo de Infraestrutura Social e Urbana, sendo que no setor de Habitação foram selecionados investimentos no valor total de R$ 13,5 bilhões, dos quais R$ 12,4 bilhões estão contratados. (Vanessa Stecanella - InvestNews)