Morgan Stanley não elevará sua participação na Abyara

 

A Abyara precisa mudar de tamanho e rever o seu plano de negócios. A afirmação é de Alfonso Munk, principal executivo no Brasil do Morgan Stanley, maior acionista da incorporadora, com 22,1% das ações. O executivo disse que o Morgan Stanley não tem intenção de fazer um aumento de capital e ampliar sua participação na companhia. "Tenho que justificar qualquer investimento para a matriz." 

 

Momentos antes em uma apresentação sobre o mercado imobiliário no Cityscape, evento do setor, Munk havia dito que há empresas baratas na Bolsa, com preço bastante atraentes e que o setor residencial está entre as prioridades do Morgan Stanley no médio e longo prazo. A Abyara é hoje uma das companhias listadas com o mais baixo valor de mercado. Ontem, a empresa valia R$ 81,9 milhões, menos do que o seu patrimônio líquido de R$ 200 milhões, segundo dados do segundo trimestre. 

 

De acordo com Munk, o Morgan Stanley não está envolvido diretamente na gestão da companhia. De acordo com fontes de mercado, porém, há uma diretora da companhia que foi indicada pelo Morgan Stanley e a relação entre a empresa e o banco estaria desgastada. 

 

A revisão do plano de negócios, de acordo com o executivo, passa não apenas por uma nova projeção de lançamentos para este ano e o próximo, mas também pela definição de regiões com maior demanda e pela escolha de projetos com melhores margens. "A empresa precisa definir quanto cresce o país, como está a demanda e as condições de financiamento para determinar o seu novo tamanho." A Abyara veio de um crescimento acelerado nos dois últimos anos e, como todo o mercado, divulgou metas ambiciosas no início de 2007. Já reviu a projeção de lançamentos duas vezes. Da última, revisou a meta para R$ 2,2 bilhões, valor que deve ser alterado em breve, de acordo com Munk. 

 

O principal executivo da área imobiliária do banco no Brasil avalia como positiva a venda dos projetos que a Abyara tem com parceiros, conforme publicou o Valor na semana passada. Empresas como Agra e BN Corp - joint venture entre a construtora Bueno Netto e Merrill Lynch - compraram a participação da Abyara em projetos conjuntos. A Abyara não estaria fazendo os investimentos previstos. Em nota, a Abyara afirmou que está adotando uma série de medidas para fazer frente à atual crise financeira mundial. "Entre elas está a decisão de se desfazer de alguns ativos e sair da incorporação de parte de empreendimentos para recompor sua situação de caixa e, desta forma, preservar a saúde financeira da companhia". A empresa também informou que está honrando todos os seus compromissos, inclusive os assumidos com seus parceiros. 

 

Mesmo depois da venda da área de corretagem para a BR Brokers, a Abyara está entre as empresas mais endividadas entre as companhias de capital aberto. O banco UBS tem mandato para procurar uma solução para a companhia, seja a venda do ativo como um todo ou os projetos. "As conversas estavam indo bem até junho, mas a situação se complicou muito depois da crise financeira", disse Munk, que admitiu ter tido perdas em alguns negócios. "A empresa hoje vale menos do que os seus projetos." 

 

O Morgan Stanley está captando o sétimo fundo para investimento no setor imobiliário. Mesmo com a crise, segue captando e já está com cerca de R$ 7 bilhões. O objetivo é atingir R$ 10 bilhões, o que deve acontecer até março. A América Latina recebe 5% desse valor e o Brasil, cerca de 4%.