INFRA-ESTRUTURA: Ritmo de obras do PAC pode diminuir, diz Abdib

 

SÃO PAULO, 29 de outubro de 2008 - O número de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) poderá diminuir nos próximos anos, se houver dificuldades na concessão de crédito para o setor de infra-estrutura. A avaliação é do presidente da Associação Brasileira da Infra-Estrutura e Indústrias de Base (Abdib), Paulo Godoy. Segundo ele, o governo terá que avaliar as conseqüências da crise econômica e priorizar obras mais importantes.

 

"O país vai ter que fazer uma priorização dos projetos de infra-estrutura, escolher o que é mais urgente, inadiável e o que terá conseqüências econômicas mais imediatas para melhorar a competitividade da economia brasileira", disse. Godoy participou ontem do 3º Encontro Nacional da Indústria (Enai).

 

Para o presidente da Abdib, o restabelecimento do crédito para investimentos a longo prazo é o principal desafio do setor. Segundo ele, o Brasil tem atualmente R$ 100 bilhões em contratos de infra-estrutura em andamento.

 

Durante o evento, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse que o governo não tem nenhuma informação sobre problemas de financiamento em obras do PAC, porque todas estão sendo financiadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

 

"Uma porção de obras do PAC está ainda em processo de financiamento e nenhuma empresa nos informou que está tendo problema", disse. Ela garantiu que o programa não terá nenhuma interrupção por causa da crise financeira.

 

As informações são da Agência Brasil. (Redação - InvestNews)