Tendências da construção sustentável em áreas hospitalares

A construção sustentável vem ganhando força em vários segmentos da construção e as certificações ambientais de áreas hospitalares estão se tornando também uma realidade em nosso país.

Os valores agregados de um edifício Green Building, quando comparados a edifícios convencionais, podem dar uma ideia da razão pela opção dos empreendedores da área médico-hospitalar pelas certificações. De acordo com os dados do USGBC – US Green Building Council, entidade responsável pelas certificações na norma LEED® (Leadership in Energy and Environmental Design), os edifícios podem ter desempenhos bem superiores:

20-40% de economia de no consumo de água potável
50-100% de economia de água potável para irrigação
12-48% de economia no consumo de energia
50-75% de todo resíduo gerado na obra desviado de aterros
10-30% de todo material empregado é de origem reciclada
10-40% de todo material adquirido é de origem local
50-95% de toda madeira certificada pelo FSC (Forest Stewardship Council)
25% de redução da vazão e volume de água lançada na rede pública durante as chuvas

Com base nesses dados, é possível afirmar que as certificações Green Building se encaixam perfeitamente no movimento mundial a favor da sustentabilidade, cujo objetivo é manter a geração atual sem prejuízo para as gerações futuras, enfrentando os desequilíbrios econômicos, sociais e ambientais que assolam todas as nações no mundo.

Além disso, os resultados obtidos por um edifício Green Building são muito significativos em vários outros níveis:
 

Possui maior valor agregado e maior tempo para obsolescência por ser mais moderno e gerar economias em sua operação.
Os investimentos adicionais em projeto e construção poderão ser revertidos em economia de água e energia, em menores custos com reformas e manutenção predial, em infraestrutura adequada para a reciclagem de resíduos, entre outros.
Fortalece as políticas corporativas e dá destaque à imagem do empreendimento, já que a sustentabilidade é um conceito cada vez mais valorizado na mídia e na opinião pública.
Contribui para a melhoria da saúde e o bem-estar de seus ocupantes, resultando em maior conforto, produtividade e qualidade de vida.
Reduz os impactos ambientais ao longo de todo seu ciclo de vida.

Para os usuários e colaboradores, os benefícios de frequentar ou trabalhar em um edifício certificado também são muitos, pois os espaços foram projetados e construídos para apresentar um desempenho superior aos convencionais em diversos critérios ambientais, em especial, aos relacionados ao conforto e bem-estar dos usuários, tais como: renovação adequada do ar, iluminação natural e adequada, temperatura, umidade, visão para o exterior, áreas verdes e de convívio, filtragem do ar, materiais com baixa emissão de COV (Compostos Orgânicos Voláteis) e sem resinas tóxicas, entre outros.

Assim, uma certificação, além de gerar a interessante redução de despesas com energia e água, também propiciará um maior conforto térmico, acústico e visual aos usuários. Em se tratando de hospitais, por exemplo, pesquisas americanas relatam aceleração da recuperação de pacientes quando convivem em espaços que proporcionam estes benefícios.

Existem outros benefícios de difícil mensuração, como a satisfação de frequentar ou trabalhar em um edifício mais sustentável, aumento de produtividade dos funcionários, redução de absenteísmo, valorização e aumento de prestígio da marca de uma empresa com seus clientes e seus colaboradores.

Áreas médico-hospitalares sustentáveis no Brasil

Em setembro, o CTE atingiu um marco histórico: 100 empreendimentos em consultoria green building no Brasil. Entre os 100 empreendimentos, estão estádios, hospitais, shoppings, templos religiosos, escritórios, edifícios corporativos, centros logísticos, indústrias, residenciais e desenvolvimentos urbanos, sendo que 86 deles buscam certificação LEED® e os outros buscam certificações Aqua, Etiquetagem do Procel, Programa de Sustentabilidade em Obras (PSO) ou consultorias em projeto sem fins de certificação.

O CTE tomou a frente também nas consultorias para certificação LEED@ de empreendimentos na área médico-hospitalar. A seguir, destacamos as diretrizes ambientais dos mais importantes projetos sustentáveis nesta área, que obtiveram ou buscam certificação Green Building com consultoria do CTE.

LABORATÓRIO DELBONI AURIEMO (UNIDADE SANTANA) - São Paulo

Certificação LEED® for New Construction, nível Silver.

Primeiro edifício certificado no País na área médico hospitalar, em 2008.


Diretrizes ambientais:
 

Redução do consumo de água em mais de 30%
Redução do consumo de energia por conta da utilização de luminárias eficientes e sensores de presença
Reciclagem/reuso de 98% dos resíduos de obra
100% de madeira certificada FSC (Forest Stewardship Council)
Tintas, adesivos e selantes sem cheiro
60% de produtos extraídos, beneficiados e manufaturados localmente
Instalação de bicicletário no estacionamento
Áreas verdes na cobertura para lazer dos funcionários
Uso de tintas claras nas coberturas para redução do efeito de ilhas de calor no micro clima local

LABORATÓRIO BOEHRINGER INGELHEIM – São Paulo

Certificação LEED® for Commercial Interiors, no nível Gold, em 2010.

Diretrizes ambientais:
 

Projeto de acordo com conceito Modern Office
Comunicação da empresa no escritório por meio de monitores vídeo wall (incentivando o uso responsável do papel)
Áreas verdes dentro do escritório
28% de economia de energia na iluminação
43% de economia de água potável (utilizando restritores de vazão, torneiras e mictórios com sensor, bacias dual flux 3 e 6)
40% de todo material utilizado de origem reciclada
22% de todo material de origem local
25% de toda madeira certificada FSC
96% do resíduo de obra desviado do aterro


INCA – INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER - São Paulo

Buscará certificação LEED-NC – New Construction.

Diretrizes ambientais:
 

Vagas preferenciais no estacionamento para veículos de baixa emissão de carbono (GNV ou etanol)
Redução de efeitos de ilhas de calor através de vagas de estacionamentos no subsolo e superfícies com cores claras nas áreas externas
Cobertura verde
Redução de mais de 25% do volume e da vazão de água pluvial da situação original d terreno
100% de economia de água para irrigação, através de reuso do efluente tratado in loco, sistema de irrigação automatizada, e adoção de espécies nativas
10% de economia de energia

HOSPITAL OSWALDO CRUZ - São Paulo

Buscará Certificação LEED-NC – New Construction.

Diretrizes ambientais:
 

21% de economia de água potável (utilizando restritores de vazão, torneiras e mictórios com sensor, bacias dual flux 3 e 6)
12% de economia de energia
100% de economia de água para irrigação
20% de todo material utilizado de origem reciclada
40% de todo material de origem local
50% de toda madeira certificada FSC
50 vagas em bicicletários com vestiários
20% de desconto para veículos movidos a GNV no estacionamento
Redução de mais de 25% do volume e da vazão de água pluvial da situação original d terreno
50% dos usuários com controle de conforto térmico individual
Acesso a paisagens para 90% dos espaços
Redução de efeitos de ilhas de calor através de vagas de estacionamentos no subsolo e superfícies com cores claras

HOSPITAL ALBERT EINSTEIN (PERDIZES) - São Paulo

Buscará Certificação LEED-NC – New Construction

Diretrizes ambientais:
 

Redução de mais de 25% do volume e da vazão de água pluvial da situação original do terreno
Redução de efeitos de ilhas de calor através de vagas de estacionamentos no subsolo e superfícies com cores claras
Telhado verde
Medição de consumo de energia por uso final de sistemas (bombas hidráulicas, ar condicionado, ventilação mecânica, elevadores, iluminação externa, etc.)
Iluminação natural
20% de todo material utilizado de origem reciclada
40% de todo material de origem local
50% de toda madeira certificada FSC
Bicicletários com vestiários

HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS - São Paulo

Buscará Certificação LEED-NC – New Construction.

Diretrizes ambientais:
 

2% de economia de água potável
10% de economia de energia
100% de economia de água para irrigação
20% de todo material utilizado de origem reciclada
40% de todo material de origem local
50% de toda madeira certificada FSC

 

* Anderson Benite é Diretor da Unidade de Sustentabilidade do CTE. Engenheiro Civil e Mestre em Engenharia pela Escola Politécnica da USP. LEED-AP Accredited Professional. Auditor Líder ISO 9001 e OHSAS 18001. MBA Executivo pelo Ibmec Business School. PNL Practitioner. Especialista em Sustentabilidade na Construção Civil e Sistemas de Gestão Integrada (qualidade, meio ambiente, segurança do trabalho e saúde ocupacional).